O Cavalo de Tróia




Se existisse um Jardim do Éden em Portugal, esse seria sem dúvida a baía da cidade de Setúbal. Não há sítio algum no Algarve, na costa alentejana ou mesmo na região Oeste do nosso país capaz de rivalizar com os recursos naturais que nos oferece a Península de Tróia, o Parque Natural da Arrábida e o Estuário do Sado. Não fosse o Homem, e estaríamos perante um paraíso único no mundo. Afirmo isto sem qualquer pudor, mesmo sendo natural de Setúbal, pois tenho a certeza que quem já visitou a região partilha da minha opinião.
Acontece que, aquilo é bonito sem artifícios, sem betão e sem mega-construções mas, desde as décadas de 60/70 que certos investidores teimam em fazer das areias de Tróia um destino turístico de massas, e para isso, levou-se a cabo um projecto denominado Torralta em que se construiram um conjunto de torres (enormes e cinzentas) que acabaram por se tornar no maior lar de morcegos do país.
Sempre me habituei a ver aqueles mamarrachos ali. E sempre os vi abandonados. Ao longe até dava a impressão de serem arranha-céus naquela planície arenosa, tipo Miami, mas de perto, eram mostrengos.
Uma dessas torres foi orgulhosamente implodida pelo Sócrates, com direito a transmissão televisiva e a festividades no outro lado do rio. Eu próprio vi a explosão a partir de um miradouro. O problema seria o que vinha a seguir. Casinos, hotéis, piscinas, marina, apartamentos de luxo. Afinal iam mesmo roubar a praia predilecta das gentes da terra. Até os velhinhos ferry-boats foram substituídos por uns extremamente verdes, e por um catamarã com plasmas embutidos. O grupo Sonae com o Rei Belmiro Midas a encabeçar a troupe, parecia estar na rota do sucesso mas em troca de um preço muito caro para a paisagem natural. Já não bastava a cimenteira em plena área protegida e o estaleiro naval em local de nidificação de flamingos, agora um mega-complexo renascido das cinzas. O único lado positivo de tudo isto seria o aumento de empregos temporários (durante a construção) e a abertura de vagas permanentes quando tudo estivesse pronto, no distrito que é o mais afectado pelo desemprego. Contudo, ontem li esta notícia, que me fez esboçar um ligeiro sorriso. Afinal parece que o cavalo do Belmiro é feito de pau-oco e que as areias de Tróia são terreno movediço.
publicado por Mário às 12:19 | link | comentar | partilhar