Crenças e Questões

Neste momento nada me parece mais oportuno que falar disto, agora que está para breve a visita do Papa a Portugal.

Estava eu deitado na minha cama de solteiro, no quarto que partilhava com o meu irmão e por vezes, com a minha cadela. Deveria ter uns 15 ou 16 anos. Os olhos pesados de sono e a janela completamente aberta, numa daquelas noites de Verão em desejamos dormir numa banheira apinhada de gelo. Não passava aragem alguma, apenas calor.
Nisto reparo que uma luz intensa aproxima-se da minha janela, encaro-a de frente mas não consigo ver nada a não ser claridade que me fere a vista. A luz torna-se mais forte, para num segundo, se desvanecer completamente. Tremo com medo. Que será isto? De repente, uma figura masculina com roupas brancas toma forma aos pés da cama. Uns olhos azuis penetrantes e penteado oldschool totalmente loiro. A minha incredulidade com aquilo deixa-me boquiaberto mas, estranhamente, sem qualquer receio, apenas curiosidade. É nessa altura que oiço uma voz: - Ò Malhão, Malhão! Que vida é a tua...
- Foda-se Roberto Leal, que fazes no meu quarto c...lho? Vai cantar para a Praça da Alegria ou para a p... que te pariu. Sai daqui c...lho!

Claro que nada disto aconteceu, mas foi a introdução possível para a questão pertinente que tem andado a assombrar-me desde ontem, por volta das 21:00, altura em que o "Malhão" na voz do Roberto Leal, tocava na Classic 21, uma rádio sediada em Bruxelas que passa exclusivamente grandes clássicos da música rock. Porquê? Não sei, mas gostava saber.
publicado por Mário às 17:01 | link | comentar | partilhar