Alzira, o teu cérebro é um peido

Estava eu aqui a pensar no que havia de escrever quando, de repente me surge uma ideia. Depois esqueci-me dessa ideia e voltei a pensar no que havia de escrever. Ah! Entretanto fui escrevendo, escrevendo, escrevendo, e repetindo dois verbos no gerúndio: o "escrever" e o "repetir", respectivamente. Ao ler esta última palavra que escrevi antes de ter escrito "Ao ler esta última palavra que escrevi(...)", portanto "respectivamente", lembrei-me que nunca tinha classificado nenhuma palavra morfossintaticamente neste blog. Portanto, classifarei "respectivo": adjectivo masculino singular. Já está. Também posso separar em sílabas: res-pec-ti-vo. A minha professora primária ensinou-me a separar as sílabas batendo palminhas mas já é tarde e as pessoas estão a dormir, então tive de puxar pelo intelecto. Coisa que doeu. Ai. Entretanto já tenho imenso texto escrito e assim dá gosto, gosto a tostas mistas e a concentrado de manga, que foi o que acabei de ingerir. Quando penso em "ingerir" lembro-me das gaivotas a sorverem sardinhas e não em "comer" com tudo aquilo que o acto tem direito, incluindo o rasgar, mastigar e engolir, funções dentárias, ou dos dentes, como preferirem, se os tiverem. Talvez por isso, vou refazer a frase de há bocado, porque eu não sorvi tostas mistas e concentrado de manga. Ou melhor, sorvi o concentrado de manga, mas não as tostas mistas, até porque não as consegui enfiar num copo. "(...) gosto a tostas mistas e a concentrado de manga, que foi o que acabei de degustar". Está refeita a frase, com mais requinte e ainda assim, acessível a todo o tipo de alfabetizados e particularmente, a alguns contribuintes em geral. Eu sei, foi de propósito. Mas "particularmente em geral" pode existir, por exemplo: "Estou particularmente chateado e vou-vos mandar para o narso em geral." Agora que a leio, acho que esta frase nunca foi dita ou escrita anteriormente, exactamente desta forma. Será que posso ganhar dinheiro com isto? Onde a registo? No notário ou na sociedade de autores, ou lá como se chama esse escritório de contabilidade? Três questões seguidas. Vou-vos explicar porque é que muita gente - maioritariamente adolescentes - escrevem imensas questões nos seus blogs, e contracapas dos cadernos de Fisica-Química, ok? Porque não sabem as respostas, ok? E porque é que só os adolescentes escrevem questões de forma compulsiva e os mais velhos não? Porque os mais velhos têm que temperar a carne para o jantar, ou coser meias rotas no calcanhar e não têm tempo para fazer perguntas às quais estão-se bem a foder para as respostas, ok? Muitos "ok's" interrogativos seguidos revelam insegurança na resposta mas eu prezo a minha segurança. Daí enfiar sempre o arnês entre as pernas quando tenho de me elevar a mais de 2 metros. É que a vida do alpinismo tem os seus contras, e um deles é o arnês, que às vezes é feito de um material nada macio, com umas fivelas metálicas nada macias, quando tudo o que é metido entre as pernas de um homem deveria ser bastante macio, pelo menos mais macio que as coisas macias que lá estão. Mas eu não sou alpinista. Era só um pretexto para falar das coisas macias e de como fico indignado com o material de que é feito o típico arnês. Passo do arnês para o aralho. O aralho é, no meu imaginário javardo-intelectual, um utensílio arcaico usado pelos primeiros povos agricultores, muito semelhante ao arado, mas que não funcionava. Por isso é que inventaram o outro. E depois foram mais espertos e inventaram as grandes superfícies comerciais. Assim já não têm de cultivar, esses povos do aralho. Aralho, aralho, aralho. É tão musical e apenas a um C de se tornar obsceno. É assim que eu gosto de funcionar, a 2 metros da fronteira, só para enervar o SEF. Agora lembrei-me da ideia que tive no início do post! Era: "vou deitar-me e tentar adormecer em vez de escrever merda". Boa ideia, péssimo timming. Cumprimentos a todos aqueles que conseguiram ler isto até ao fim, especialmente se forem mulheres bem aparentadas a partir da copa C.

publicado por Mário às 01:44 | link | comentar | partilhar