Um Sábado cheio de surpresas

Na sexta-feira o meu boss convidou-me a mim e a mais 3 indíviduos para trabalhar no Sábado. Foi um sinal de que gostam do meu trabalho. Fiquei contente.

Como o rapaz que me leva e trás do trabalho não foi fazer o Sábado, o patrão veio-me buscar e à tarde veio o supervisor trazer-me. Pagaram-me o almoço, fizeram-me as perguntas da praxe acerca do meu país, da língua dos costumes. Senti-me bem.

O Billy (que se chama Wilhem, equivalente a William em inglês, dái o diminutivo) é o tal supervisor. Quando me perguntou onde eu morava, lembrei-me que não sabia. Aliás, sei o nome da rua e tenho alguns pontos de referência mas isso não chegou. Perguntei-lhe então:

- Sabes onde fica o Eurogarden coffeeshop?

- Então não sei...

- Eu moro mesmo ao lado disso.

Pronto. Os olhinhos dele começaram a brilhar de outra forma. Parou o carro ao lado do coffeeshop e perguntou-me se eu fumava erva. Como pensei que fosse uma rasteira, disse-lhe prontamente que não. Então disse-me para o acompanhar que ele pagava-me um sumo.

Lá dentro, o gajo pede duas ganzas de Haze, paga e dá-me uma delas:

- Super Mário, se nunca fumaste experimenta. Estás na Holanda pá!

- Oh Billy, eu já experimentei, estava era com medo de dizer porque tu és meu supervisor né...

- Ah! Já percebi. Então eu acendo a minha primeiro para me poderes incriminar no trabalho se quiseres (e sorriu).

 

Pronto. O resto adivinham.

Acabei o meu dia de trabalho a fumar charros com o meu supervisor, numa amena e agradavel conversa sobre cinema e música, politica e emigração.

 

À noite... Estava com ideias de ir dar uma voltinha mas o tempo não ajudou. Então chego à sala e estavam os polacos com 3 grades de cerveja empilhadas no meio e a beberem que nem uns animais. Ofereceram-me mas, não as aceitei. Peguei na carteira e fui ao Super deBoer comprar dois sacos de aperitivos. Quando cheguei com os snacks, parecia que tinham visto deus. A partir daí o gelo quebrou-se e comemos, bebemos, conversámos, tudo numa boa. Às tantas um deles começa a imitar animais e eu alinho na cena com a minha melhor imitação: o alarme de incêndio. Rimos que nem uns desalmados.

Um dos polacos, que é o mais velho confidenciou-me que esteve preso 20 anos por um crime de que ele não fala, tem o braço direito todo cortado com as letras "SS", o cabelo rapado e uma tatuagem duvidosa. Extrema-direita polaca, ou algo do género mas, incrivelmente, convidou-me para passar o Natal na Polónia este ano. Se calhar para me esventrar com um caniveto suiço, ou assim...

 

De madrugada, acordo com os olhos colados, sem os conseguir abrir e sem conseguir ver nada. Antes de adormecer, já tinha reparado que tinha os olhos demasiado pesados mas, deitei as culpas na erva e nas cervejas. Depois deitei-as na soldadura porque me ardia a vista. Contudo foi devido à fibra de vidro com que trabalhei à tarde. Devo ter coçado a vista e foi vidro para o globo ocular. Aquela reacção, presumo que tenha sido o organismo a proteger-se. Sei que lavei com leite abundante e ainda assim não passou.

Hoje de manhã, já estava tudo bem.

publicado por Mário às 13:53 | link | comentar | partilhar