Prego no pão

 A origem da expressão perde-se nos meandros da evolução linguística.

Uns dizem que o "prego" é de carne bovina ao contrário da bifana que é do senhor porco, outros dizem que nada tem a ver e que, um prego no pão pode ser de carne suína ou de vaca. Eu não faço ideia. Aliás, nem é aí que reside a questão...

Um amigo, há poucas horas enquanto conversávamos num bar, confidenciou-me que a mãe comprou um pão - no café do Pestana1 - com um prego lá dentro. O pior é que o prego não era de vaca nem de porco mas, de metal ferrugento. Vinha espetado na côdea e, nem o belo do Pestana, nem a mãe do meu amigo repararam no objecto alienigena. Ao cortar uma fatia de pão, o pai do Fábio estranhou a resistência oferecida à faca: era o paneleiro do prego...

Para que a coisa não fosse esquecida, Fábio Descalço2 tirou duas fotografias demonstrativas de tal barbaridade que, passo a mostrar:





Isto faz-me lembrar o caso do dedo dentro do frasco de feijão, só que um prego é bem pior. A menos que o dedo tivesse a unhaca grande. Aí as dificuldades do processo digestivo seriam semelhantes.

Agora, cada vez que comprar pão, peço natura. Nunca se sabe...

1 Não sei quem é o Pestana mas pelo nome deve ser um senhor (míope) de meia-idade.
2 Sim, Descalço é mesmo o último nome deste meu amigo. Todas as piadas que possam inventar para troçar do seu apelido são desnecessárias. Ele sabe lidar com isso há 20 e tal anos.

publicado por Mário às 20:16 | link | comentar | partilhar