Busca pela libertação a.k.a. Nirvana

Estava aqui às reviravoltas com a playlist do iTunes quando encontrei o Nevermind dos Nirvana e um monte de coisas soltas veio-me à cabeça, assim tipo hologramas do Star Trek, em 2D, sem direito a óculos. O Nevermind foi consumido exaustivamente na minha aparelhagem quando eu tinha 7 ou 8 anos. Era o meu único CD e nem imaginava na altura que iria ser difícil (no futuro) meter as ganchorras noutro melhor. Já sei que os Nirvana não eram uma banda tecnicamente muito elaborada e já sei que o Kurt Cobain não era dos autores mais eruditos, já sei disso tudo, mas quando oiço a punkalhada da Territorial Pissings ou a desgraçada da Polly fico em estado de transe, tipo, vá lá, anirvanado.
publicado por Mário às 22:17 | link | comentar | partilhar